Quem foi Wilhelm Reich? Imprimir E-mail

Wilhelm Reich (1897-1957) foi um psicanalista austríaco, discípulo de Sigmund Freud que criou, a partir da Psicanálise uma nova abordagem terapêutica a qual, além das intervenções verbais, de fundamentação psicanalítica, também inclui intervenções corporais. Esta abordagem terapêutica foi inicialmente chamada de Vegetoterapia Caractero-Analítica e posteriormente de Orgonoterapia. Atualmente, é comum referirmo-nos a ela simplesmente como Psicoterapia Reichiana.


Reich ingressou na IPA (Associação Internacional de Psicanálise) em 1920 quando era ainda estudante de medicina, permanecendo oficialmente vinculado a esta instituição até 1934. Em 1921 passou a atender pacientes encaminhados por Freud, na Clínica Psicanalítica de Viena, da qual mais tarde foi eleito diretor. Em 1922 criou, com apoio de Freud, o Seminário de Técnica Psicanalítica de Viena, destinado à pesquisa e ao aperfeiçoamento da abordagem psicanalítica. A partir de seus estudos sobre o manejo clínico da transferência e da resistência, desenvolveu a Análise do Caráter, uma das mais importantes contribuições à abordagem clínica da psicanálise.

Seu interesse em compreender as origens sociais das doenças mentais e buscar métodos de prevenção das neuroses, levou-o a desenvolver um trabalho sócio-político intenso junto a juventude operária alemã, trabalho este que recebeu a denominação de Sexpol. Sua atuação político-social custou-lhe muitas perseguições pois, nessa época, a Alemanha estava vivendo o auge da ascensão do nazismo. Custou-lhe também o seu desligamento da IPA, uma vez que seus dirigentes temiam que seu envolvimento político pudesse ameaçar a sobrevivência desta sociedade na Alemanha hitlerista. Para não ser preso pelos nazistas, Reich precisou fugir da Alemanha, em 1934, refugiando-se em Oslo na Noruega. 

Na Universidade de Oslo, sua pesquisa clínica e experimental sobre a dinâmica biopsíquica das emoções permitiu que ele descobrisse o fenômeno do encouraçamento, elucidando aspectos fundamentais da relação entre soma e psiquismo. Suas pesquisas sobre a energia orgônica forneceram nova fundamentação às concepções energéticas mais antigas, permitindo correlacioná-las com os conceitos freudianos de libido e energia psíquica e demonstrando sua relação com a sexualidade.  Suas pesquisas sobre a biopatia do câncer demonstraram como esta, e outras patologias, são engendradas num longo processo de desequilíbrio emocional e bioenergético.

Reich foi, sem dúvida, um importante pioneiro no estudo dos fenômenos psicossomáticos. Suas descobertas não se limitam a explicar o envolvimento psíquico nas doenças orgânicas, mas também o envolvimento de disfunções corporais no caráter neurótico e nas psicopatologias.

Theodore Wolfe, importante pesquisador em Psicossomática, foi a Oslo estudar com Reich e traduziu para o inglês várias de suas obras. Em 1939, Reich mudou-se para os Estados Unidos a convite de Wolfe que, juntamente com sua esposa Francis Dunbar, e Franz Alexander, fundaram, neste mesmo ano, a Sociedade Americana de Medicina Psicossomática.

A partir da década de 40 a Medicina Psicossomática oficial afastou-se de Reich, principalmente devido às perseguições políticas que ele passou a sofrer nos EUA. Desta forma, a Medicina Psicossomática não assimilou as descobertas posteriores de Reich, nem incorporou seus métodos terapêuticos, ficando assim desprovida de uma abordagem clínica própria. O conhecimento reichiano evoluiu como uma especialidade terapêutica independente.

A partir de 1945 as descobertas de Reich se diversificaram, passando a abranger outros campos do conhecimento além da clínica, como a Puericultura, a Psicologia de Massas e a pesquisa experimental em Ciência Orgonômica, dentre outros.


PÓS-REICHIANOS E NEO-REICHIANOS

Os vários discípulos e seguidores de Reich, na Europa e nos Estados Unidos, constituíram escolas e desenvolveram algumas abordagens terapêuticas que ganharam outras denominações. Dentre eles, vale destacar:

Ola Raknes: principal discípulo de Reich na Europa ensinou sua abordagem em vários países, sendo que vários de seus alunos ganharam destaque significativo.

Elsworth Baker: principal discípulo de Reich nos Estados Unidos fundou o American College of Orgonomy, instituição ainda em atividade, e que edita a revista Journal of Orgonomy.

Alexander Lowen: aluno e paciente de Reich, conquistou notoriedade pelos diversos livros que escreveu, popularizando assim a abordagem da Psicoterapia Corporal. Lowen passou a denominá-la de Bioenergética, embora esta corresponda, em essência, à abordagem original de Reich com algumas modificações nas técnicas de intervenção corporal.

David Boadella: aluno de Ola Raknes, escreveu um importante livro sobre a vida e obra de Reich. Criou, a partir do pensamento reichiano, uma abordagem terapêutica que denominou Biossíntese.

Barbara Koopman: aluna de E. Baker e ex-presidente do American College of Orgonomy, criou a técnica de foto-estimulação ocular com a luz em movimento, que se tornou uma das mais importantes técnicas de desencouraçamento ocular.

Federico Navarro: aluno de Ola Raknes, propôs uma sistematização das técnicas de desencouraçamento seqüencial dos segmentos, que se constitui numa metodologia mais padronizada.

 

+ Sugestão Bibliográfica

 
Facebook